7 de julho de 2010

Nem tudo o que parece é!



Quem ler os meus 2 ultimos posts, pode pensar que a minha vida corre às 1001 maravilhas. Sim, provavelmente também eu pensaria o mesmo. Mas de facto não é verdade. O drama agora é outro que, apesar de não se prender com a saude pode interferir nela. Algumas de vocês já o sabem. Desde Fevereiro que o meu marido com 42anos ficou no desemprego, esse flagelo nacional.

Numa manhã de Fevereiro quando tudo parecia bem, o Departamento de Arte e Comunicação da empresa onde esteve 14 anos, com 7 colaboradores, foram chamados à Administração. Passadas 2 horas ligou-me. "Fomos despedidos. Despedimento colectivo". O tecto desabou de novo! E inevitavelmente vieram as mesmas questões: O que é que eu fiz para merecer isto? Não era já tempo de ter descanso?

E naquela manhã a vida mudou de novo.

Despedimento colectivo não foi bem o caso. Porque a Directora que auferia um ordenado 3 vezes superior aos outros e uma colega que é "baby-sitter" dos filhos dela ainda lá continuam. Pelos vistos, o argumento da inviabilidade financeira só se encaixava nos 5 colaboradores. Outros valores se ergueram, não tenho duvidas!

Talvez se devesse aplicar a lei de Fafe, pelo menos aliava o stress e com sorte ficavam com algumas cicatrizes para o resto da vida.

Designer Gráfico de profissão, experiência no ramo há mais de 20 anos e com um nivel de profissionalismo lisonjeado por muitos, não foram factores suficientemente fortes que justificassem a continuação do posto de trabalho.

Depois a partir daí, como podem imaginar muitas outras coisas vieram. Primeiro o choque. Depois a revolta. E agora a sensação de impotência perante a conjuntura nacional.

Quando falamos de alguém com 40 anos pensamos automaticamente, é novo. Pois na verdade não é bem assim. Somos novos de facto e ainda nos sentimos capazes de milhentas coisas. Temos experiência, temos! Mas de que vale? O mercado de trabalho quer gente nova, acabada de sair das faculdades para lhes pagar uns míseros 500 ou 600€. Não nos quer porque saímos caro, porque o know-how vale dinheiro e o dinheiro está caro. Assim, por cada um que vem para a rua, metem 4 ou 5 estagiários pelo preço do primeiro. Deixámos de ter rosto e passámos a ser números numa folha de excel.

Passaram 5 meses e após inumeros e incessantes respostas a anuncios, nada acontece. Nem se dignam a responder um "Lamentavelmente..." As empresas fecham-se e não querem assumir mais encargos quando se vive em alegada austeridade.

Entretanto, o tempo passa, a frustração é cada vez maior e involuntariamente a familia é atingida. Em casa o ambiente torna-se sufocante e as conversas giram sempre à volta do mesmo. Não há paciência para nada, nem para ouvir a filha, que infelizmente apesar da tenra idade já viu acontecer demasiadas coisas à mãe e ao pai.

As frases "Acabaram com a minha vida" e "Nunca mais vai ser o mesmo" já fazem parte do dia a dia.

Quanto a mim, estou de pedra e cal reunindo forças onde não tenho. Falando com abc, enviando CV's, retomando contactos que podem ser úteis, mas até agora nada. Tento dar-lhe o apoio que me é permitido mas não faço milagres. Tenho receio por mim e pela minha saude e sinto-me perdida no meio desta "tempestade".

Enquanto isso, continuo a agradecer todos os dias por estar viva e peço forças para seguir em frente. Porque nada nem ninguém me proibe de sonhar!

Se souberem de alguém que ainda acredita nas pessoas com 40 anos, pf digam alguma coisa porque lá em casa existe alguém que quer trabalhar.

Obrigado!

7 comentários:

Nela disse...

Querida, já te dei o contacto que tinha. Não tenho mais, mas estou atenta a qualquer oportunidade que surja.
Beijinhos
Tudo se irá resolver!

Alda disse...

Desejo que o trabalho surga, e que tudo se resolva da melhor maneira para vós!
Beijinhos

Isa disse...

Olá Imel.
Espero que tudo se resolva em breve e nada de stress, sabes que não é bom para ti.
e como costumo dizer, a sorte n dura sempre, mas o azar tb não.
Melhores dias virão.
Um beijinho

IsaLenca disse...

Imel, como sabes já tentei uns pós de perlimpimpim...infelizmente vejo que não passou de uma tentaiva. Sei bem o que sentes mas não te deixes abalar. A solidez da família e do casal é muito importante para ultrapassar esta fase de vazio e de incerteza. Sei que ninguém vive do ar mas o importante mesmo é olhar em frente e constatar que os alicrces familiares são o bem mais importante. Quando menos contarem algo aparecerá e, quem sabe, não será a mudança melhor? Costuma-se dizer que "há males que vêm por bem" e há que pensar que´agora é uma fase transitótia. A 1ª vez que tal aconteceu ao meu marido durou 3 anos. Depois apareceu...e agora vou continuar a pensar positivo.
Bjs e não te deixes abalar.

Loulou disse...

Minha querida, só te posso mandar força daqui. Acredito que alguma coisa irá aparecer!

Beijocas grandes e força, força!

Gigi disse...

Imel, querida, imagino o que estás a passar. Mas tenho fé que vai melhorar.

Vou mandar-te um mail.

beijocas.

Lina Querubim disse...

Lamento Imel!
Agora com as férias pode ser que surja alguma coisa, com um CV tão bom há-de haver um lugarzinho para o teu Marido. Imagino que não esteja a ser nada fácil mas vamos acreditar que vai ser possivél.
Beijokas e fica com os Anjos