25 de setembro de 2009

Imagine a world without cancer!


Criada petição online para tornar cancro numa prioridade global

Nancy G. Brinker, fundadora da associação Susan G. Komen for the Cure®, alerta para a crescente crise mundial do cancro e apela aos líderes mundiais que "incluam o cancro" nas agendas de saúde.

A fundação lançou uma petição online http://ww5.komen.org/includecancer.html?ecid=vanityurl:77 para alertar aos líderes mundiais da necessidade de tornar o cancro numa prioridade global, segundo o site da associação.

O principal movimento mundial contra o cancro da mama adverte para a onda de mortes provocadas por cancro e apela aos ministros da saúde mundiais para serem "destemidos e unidos" na luta contra o cancro, particularmente nos países em desenvolvimento.
"O cancro mata mais a cada ano do que a tuberculose, a malária e a Sida juntas", afirmou Nancy G. Brinker, presidente da fundação Susan G. Komen for the Cure® e Embaixadora da Boa Vontade da Organização Mundial da Saúde para o Controlo do Cancro.
"Agora é a hora de concentrar a nossa atenção nesta luta global", disse aos ministros da saúde mundiais na sessão de abertura da Assembleia-geral da ONU.

In Portal de Oncologia

Eu já assinei! Assine você também!

Um comentário:

IsaLenca disse...

E hoje saiu esta notícia na Lusa:

UE/Saúde: Bruxelas propõe parceria europeia de luta contra o cancro
Bruxelas, 28 Set (Lusa) - A Comissão Europeia vai propor esta terça-feira, em Bruxelas, uma Parceria Europeia de Acção contra o Cancro, que tem como objectivo apoiar os esforços dos Estados-membros no combate à doença.
No âmbito da parceria, que vigorará no período entre 2009 e 2013, será criado um quadro para identificação e partilha de informação, capacidades e conhecimentos especializados em matéria de prevenção e controlo do cancro.
Por outro lado, segundo um documento de trabalho, o executivo comunitário quer que "as partes interessadas de toda a União Europeia (UE)" se empenhem num esforço colectivo.
A parceria aposta na "cooperação entre uma vasta gama de intervenientes que, em conjunto, trabalhem para combater o cancro".
A Comissão Europeia sustenta que o cancro - que "atinge um número cada vez maior de pessoas e respectivas famílias" - representa "um encargo enorme para a sociedade numa Europa afectada pelo envelhecimento da população".
Segundo dados de Bruxelas, há previsões que indicam que, se se alargar o rastreio ao cancro do colo do útero a 100 por cento da população, se obterá uma redução estimada de mais de 94 por cento dos anos de vida perdidos e que, por cada 152 testes de Papanicolau realizados, um ano de vida poderá ser ganho.
Uma prevenção eficaz pode contribuir consideravelmente para a melhoria da saúde e, por isso, o executivo comunitário sustenta que as acções de prevenção são a melhor opção financeira, defendendo uma "abordagem horizontal que consista em agir sobre os principais factores determinantes da saúde", como o estilo de vida.
O cancro foi a segunda causa de morte mais comum na UE em 2006, a seguir às doenças cardiovasculares, tendo sido responsável por duas em cada dez mortes nas mulheres e por três em cada dez nos homens, o que corresponde a aproximadamente 3,2 milhões de cidadãos europeus diagnosticados com cancro todos os anos.
Estima-se que cerca de um terço de todos os cancros possa ser evitado se se alterarem ou evitarem os principais factores de risco, como o tabagismo, o excesso de peso, o escasso consumo de frutas e legumes, a inactividade e o consumo de álcool.
Dentro de quatro anos será feita uma avaliação da parceria, comprometendo-se o executivo comunitário a apresentar um relatório ao Conselho da União Europeia e ao Parlamento Europeu.


Bjs