30 de dezembro de 2009

Tenham um Feliz Ano 2010!


Mais um ano passou.
Houve alegrias e também houve tristezas.
Houve fartura e também houve miséria.
Houve quem partisse e houve quem chegasse.
Houve quem risse e houve quem chorasse.
Houve quem tivesse ganho um emprego e houve muitos que o perderam.
Houve quem ganhasse o Euromilhões e houve quem já perdeu a esperança de o ganhar.

Mas há uma coisa que ainda se mantem, a amizade que sinto por todas vós!
Por isso, desejo-vos aquilo que desejo para mim, muita saúde e muito amor, porque ambos andam de mãos dadas.

Tchim! Tchim! Feliz Ano Novo!

17 de dezembro de 2009

Festas Felizes!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

E porque estes dias são sempre uma grande confusão,desejo-vos desde já
UM FELIZ NATAL
E UM EXCELENTE ANO 2010
com 365 dias cheios de saude, paz e muito amor!

15 de dezembro de 2009

Para o meu filho...

Vejam por favor. Este é o sonho da Isa e por isso também o nosso!

http://www.festivaldesonhos.com/desejo.asp?D0870773B49BA45EF964

25 de novembro de 2009

Back to work


Fez ontem 4 semanas que fiz a cirurgia de reconstrução da mama. Após este período, o meu médico achou-me com cara de quem quer regressar ao activo, por isso hoje foi mais uma rentrée.

Em cima da minha secretária esperava-me um lindo cesto de flores acompanhado de uma mensagem que ilustrava um brinde colectivo à minha chegada. Adorei!

O dia correu bem, obviamente que não foi produtivo, mas é o que se espera quando a ausência é grande e pelos motivos que foi. Há que responder ao rol de perguntas curiosas dos nossos colegas. Há uns mais discretos, outros não sabem o que isso é.

Que se lixe!I can live with that!

18 de novembro de 2009

Mais um repasto no nosso cantinho




Ontem foi dia de almocinho para pormos a conversa em dia.

Gostei especialmente de rever a nossa Gigi, está com óptimo aspecto e bem disposta.

A Gigi tinha feito anos na véspera e eu tinha que mostrar a mama nova, por isso não faltava tema de conversa.

Falámos de coisas sérias mas também de banalidades. Rimos, comemos e oferecemos à nossa Gigi um cachecol e um gorro branco para ela levar à Torre Eiffel, tal como era e é seu desejo.

Todos os momentos são bons quando estamos entre amigos!

7 de novembro de 2009

A Carolina está feliz


Quando vim do hospital, a Carolina estava numa ânsia que só visto. Ainda estava a entrar à entrada do prédio, já ela gritava:

-Mãe, já tens a maminha?
-Claro, filha! Foi isso que eu fui fazer! Já vais ver!

Abraçava-me muito e beijava-me as mãos, dizendo:

-Mãe, tive tantas saudades tuas. Tive medo que morresses!
-Ó filha, não penses em coisas más, o que interessa é que a mãe já foi buscar a maminha que esteve este tempo todo a ser tratada no hospital.
-Posso ver?
-Claro!
-Ah... porque é que não tem o bico como a outra?
- Porque primeiro pomos a maminha e só depois mais tarde é que os médicos fazem o biquinho para ficar igual à outra. Temos que ter calma, ok?
-Sim, mãe. Dói?
-Não.
-Posso mexer?
-Sim!
- Posso dizer às pessoas que já tens a maminha?
- Bem, isto não é assunto para contarmos a toda a gente, só à nossa familia e amigos, Ok?
- Sim mãe.

Mas eu sei que não será bem assim. Para a Carolina, este assunto é suficientemente forte para contar aos colegas da escola. O que é que eu posso fazer? Afinal a minha filha vê finalmente a mãe igual às outras mães. E como eu a entendo...

6 de novembro de 2009

A minha mamoca nova


Cá estou de novo em casa depois de 11 dias no HEM. Pois é, foi tudo muito rápido e nem tive muito tempo para pensar. Tive consulta de cirurgia plastica em finais de Setembro e a 27 de Outubro estava no bloco operatório para receber "my precious boobie". A ultima semana antes do internamento foi de loucos, pois tive que conciliar o trabalho com os exames pré cirurgia. Mas consegui! Entrei dia 26 de Outubro com nervoso miudinho, mas por outro lado muito feliz porque finalmente o meu corpo iria voltar às suas formas naturais.

A cirurgia levou 8 horas e correu bem. Acordei bem disposta, apenas com leves dores na sutura abdominal. Depois veio a parte mais chata. Fui para os Cuidados Intensivos e lá permaneci 3 dias e meio. Estive sempre com morfina e via as minhas visitas mais chegadas à minha frente rodando como se fossem ratinhos numa roda. Os tubos que me ligavam às máquinas eram imensos, o que me impossibilitavam de me mexer. Ao 2º dia vomitei um Nestum manhoso que me deram, consequência da anestesia e tanta morfina. Só podia estar de barriga para cima e ao final dos 3 dias já desesperava. As dores nas costas estavam a deixar-me maluca e queria sair dali rapidamente. O pessoal de enfermagem foi excelente e tiveram sempre ao meu lado, não queriam que eu tivesse dores. Faziam a higiene e no final passavam uma pomada nas costas para aliviar as dores e evitar feridas. Na passada 6ª feira, finalmente fui para a enfermaria. Aí as coisas começaram a melhorar significativamente. Passei a levantar-me aos pouquinhos e a sentar-me no cadeirão. As noites eram sempre mais dificeis, porque mais uma vez as costas eram e ainda são, as mais sacrificadas. Inicialmente tinha um penso enorme em toda a região abdominal e outro na mama. Mais tarde, tiraram-me os pensos e puseram apenas compressas. Aí finalmente, vi a minha mama nova e nada de barriga. Cool! Finalmente, o meu corpo retomava a forma natural.

A técnica utilizada foi retalho abdominal ou TRAM é normalmente realizada em 3 (três) tempos cirúrgicos em ordem decrescente de grandeza do porte cirúrgico.

No primeiro tempo, a pele e gordura da porção inferior do abdômen (abaixo do umbigo), são levadas para a região da mastectomia (local da mama extirpada). No meu caso não foi o musculo porque como já tinha tido outras cirurgias na zona abdominal, os medicos acharam que o musculo poderia estar comprometido, sendo elementar vascularizar a pele e a gordura que deram origem à nova mama. Este tipo de cirurgia é mais morosa e de maior risco, mas tecnicamente resulta melhor.

A cicatriz final do abdômen é semelhante à de uma abdominoplastia, sendo facilmente escondida em um biquini, porém não se deve esperar o mesmo resultado estético para o mesmo.

No segundo tempo, são realizadas simetrizações entre a mama recosntruida e a mama normal com o intuito de deixá-las o mais parecidas possível.

No terceiro tempo, são recosntruidos o mamilo e aréola, esta última pode ser recosntruida com um enxerto de pele da virilha ou através de sessões de tatuagem.

O intervalo de tempo entre as cirurgias é de, no mínimo, seis meses, ficando a critério do seu cirurgião a data mais apropriada.

Ontem à tarde, um dos meus médicos, por sinal todos uns giraços, veio dar-me alta e aproveitou para tirar os 2 drenos que ainda restavam, bem como mudar o penso. Na proxima 2ª feira, tenho consulta.

Aproveito aqui, para agradecer a toda a equipa de enfermeiros e auxiliares do serviço de plástica do HEM, que sempre se mostraram disponiveis, bem como à equipa médica chefiada pelo Dr. Miguel Andrade.

18 de outubro de 2009

Parabéns para mim!



Pois é, desde a passada 6ªf.que já cá canta mais uma aninho, 42 e que bom que é! Ao contrário do que dizem por aí, ir acrescentando anos à nossa vida é sem dúvida um grande prazer.

Eu e o meu marido não trabalhámos nesse dia e a Carol não foi à escola. Aproveitámos para passear e estar bem juntinhos.

Foi uma semana bem cansativa, estive em Madrid, numa feira internacional de Industria Farmaceutica com um bando de colegas. Fora, muitas horas de pé e por fim já tinha os pés dormentes. A melhor parte foram as tapas no "Maceiras" e nas "Cuevas de Luis Candelas". Se forem a Madrid não percam, são lugares fantásticos, cada um no seu estilo. O tempo estava óptimo e ainda deu para passear pela castelhana e plaza maior.

Obrigado às minhas amigas que deixaram mensagens de parabéns no meu telemóvel e aqui nos blogues. Um xi apertado!

30 de setembro de 2009

De molho!


Hoje fiquei em casa, pois desde 2ª feira que estou com uma carraspana que até me custa a falar, o que não se perde muito!!!!! Comecei com muitas dores de garganta e sempre com o pingo no nariz e há 2 noites que não durmo nada.

Já não faço como antes, que me arrastava até ao trabalho, muitas das vezes até com febre, para quê? Alguém merece esse esforço? Agora é tempo de pensar em mim, quem lá está que se amanhe!

Ontem tive consulta de rotina, um stress! Desde as 10h atè às 13h30, é meia jornada. Deviámos ser remunerados! A medica viu as análises e parece que está tudo bem. Graças a DEUS!

Disse à médica que ultimamente ando muito nervosa e ela disse que é normal, muitas vezes os doentes reagem muito bem no inicio do processo, quase automáticamente e nem têm tempo para pensar no que está a acontecer. Só depois mais tarde é que se vão a baixo. Aconselhou-me uma consulta de psiquiatria que me pode ajudar. Ok então bora lá! Depois conto.

25 de setembro de 2009

Imagine a world without cancer!


Criada petição online para tornar cancro numa prioridade global

Nancy G. Brinker, fundadora da associação Susan G. Komen for the Cure®, alerta para a crescente crise mundial do cancro e apela aos líderes mundiais que "incluam o cancro" nas agendas de saúde.

A fundação lançou uma petição online http://ww5.komen.org/includecancer.html?ecid=vanityurl:77 para alertar aos líderes mundiais da necessidade de tornar o cancro numa prioridade global, segundo o site da associação.

O principal movimento mundial contra o cancro da mama adverte para a onda de mortes provocadas por cancro e apela aos ministros da saúde mundiais para serem "destemidos e unidos" na luta contra o cancro, particularmente nos países em desenvolvimento.
"O cancro mata mais a cada ano do que a tuberculose, a malária e a Sida juntas", afirmou Nancy G. Brinker, presidente da fundação Susan G. Komen for the Cure® e Embaixadora da Boa Vontade da Organização Mundial da Saúde para o Controlo do Cancro.
"Agora é a hora de concentrar a nossa atenção nesta luta global", disse aos ministros da saúde mundiais na sessão de abertura da Assembleia-geral da ONU.

In Portal de Oncologia

Eu já assinei! Assine você também!

24 de setembro de 2009

Descansa em paz Nicha!



Hoje quando passava pelos blogues das minhas amigas, tive a triste noticia que a Nicha, a irmã de alma da Nela tinha partido.

Senti como sinto sempre que alguém parte, uma dor no coração e uma enorme revolta. Mais uma vida que deixou de ser vivida e outros choram a sua perda. Buraco vazio que fica, sem que nada nem ninguém possa ocupar.

Mas insisto em acreditar que nada é finito, a energia está em nós e ela não acaba. Será transportada para uma outra dimensão e nessa sim, seremos bem mais felizes. É lá que está a Nicha, a Aida, a Claudia, a Anixinha, a Buba, a minha mãe e tantos outros.

A todas vós queridas, descansem na mais profunda paz!

A ti Nela e a vós entes queridos da Nicha um abraço forte, porque as palavras não dizem nada e só o tempo pode atenuar a dor.

Aqui ficam as tuas palavras:

"Quero usar o tempo que demorar. Agora o tempo é importante para mim, digo-me. Não que deva passar depressa ou devagar, mas que seja apenas tempo, que seja algo no interior do qual eu viva e que possa preencher com coisas físicas e actividades através das quais o possa dividir, de modo a que cresça e que seja diferente para mim e que não desapareça quando eu não estiver a olhar."

Per Petterson, Cavalos Roubados.

Um beijo para ao céu!

17 de setembro de 2009

Juntos pela Teresa

JUNTOS PELA TERESA


Já imaginou como seria se a sua vida dependesse de um gesto

de solidariedade?



Teresa Brissos tem 17 anos e sofre de leucemia aguda. Desde Setembro de 2008 que luta corajosamente para combater esta terrível doença. Infelizmente, a sua coragem e determinação não são suficientes. A sua cura depende de um transplante de medula óssea. Apesar de todos os esforços e do elevado número de pessoas que têm respondido ao nosso apelo, ainda não foi encontrado nenhum dador compatível.



Se tem entre 18 e 45 anos, um peso mínimo de 50Kg, nunca fez uma transfusão de sangue e é saudável, por favor, pela TERESA, inscreva-se no Banco de Dadores de Medula Óssea! Ao contrário do que muitos pensam, ser dador não é um processo doloroso. Dê à Teresa alguns minutos da sua vida para que ela possa sobreviver! Se não pode ser dador, divulgue esta informação pelos seus contactos.



As brigadas móveis de recolha, também têm sido um meio fundamental para angariar novos dadores. Se trabalha numa empresa, numa escola, num hotel, ou noutro local em que pensa que haverá, pelo menos, entre 30 a 50 pessoas que se podem inscrever como dadores de medula, por favor, contacte o centro de histocompatibilidade da sua área, organize uma acção de inscrição e a brigada deslocar-se-á ao seu local de trabalho.







Locais de recolha permanente a nível nacional:



· CENTRO DE HISTOCOMPATIBILIDADE DO SUL

Alameda das Linhas de Torres, 117

1769-001 LISBOA

(dentro da cerca do Hospital Pulido Valente)

http://www.chsul.pt/

Email: lusotransplante@chsul.pt

Telf. +351 217 504 100

Fax. +351 217 504 101

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO :

Segunda a quinta-feira das 8 ÀS 16 horas

Sexta-feira das 8 às 15 horas



· Hosp. Amadora Sintra

Serviço de Sangue (4ªs e 5ªs)

Estrada IC19 – Amadora

2720-276 Amadora

Telf. 214 348 200



· Hosp. Santa Luzia (Elvas)

Serviço de Sangue

Rua Mariana Martins

7350-404 Elvas

Telf. 268 637 600



· Hosp. Espírito Santo de Évora

Serviço de Sangue

Largo Senhor Pobreza

7000-811 Évora

Telf. 266 740 100



· Hospital José Joaquim Fernandes (Hospital de Beja)

Serviço de Sangue

Rua Dr. António F.C. Lima

Beja

Tel: 284310200

Recolhas ás 2ªs, 3ªs e 5ªs das 9:30 ás 12:30 e das 14:30 às 16:00



· Hosp. Distrital de Faro

Serviço de Sangue

Rua Leão Peneda

8000-386 Faro

Telf. 289 892 040



· Centro Hosp. Médio Tejo - Tomar

Serviço de Sangue

Avenida Maria L M Castro

2300-625 Tomar

Telf. 249 320 100





· Centro Hosp. Médio Tejo – Torres Novas

Serviço de Sangue

Largo Forças Armadas

2350-754 Torres Novas

Telf. 249 813 982



· Hospital Rainha santa Isabel (Torres Novas)
Serviço de Sangue
Av. Xanana Gusmão - Apartado 45
2350-754 TORRES NOVAS
Telf. 249 810 100

3ªs e 4ªs das 9:00 às 13:00



· Centro Hosp. Barlavento Algarvio

Serviço de Sangue

Portimão – Porto Seco

8500-338 Portimão

Telf. 282 450 300



· Hosp. Litoral Alentejano

Serviço de Sangue

Estrada Nacional, 261

Quinta Gilhardinho

7540-230 Santiago do Cacém

Telf. 269 818 100



· Centro Saúde de Mafra

Rua Doutor Domingos M Pereira

2640-475 Mafra

Telf. 261 818 100



· Clínica Prevenir e Cuidar

Largo Amoreira LRTAF R/C - D

Serra da Amoreira

2620-197 Ramada -Odivelas

Telf. 219 347 922



· CENTRO DE HISTOCOMPATIBILIDADE DO CENTRO

Praceta Professor Mota Pinto

Apartado 9041

3001-301 Coimbra

(dentro da cerca dos Hospitais da Universidade de Coimbra)

Telf. +351 239 480 700

Fax. +351 239 480 790



· Hospital de Santo André ( Hospital Distrital de Leiria)
Serviço de Sangue
Rua das Olhalvas
2400 Leiria

Telf. 244 817 000
2ªs, 4ªs e 6ªs das 8:00 às 15:00



· Hosp. da Covilhã (Cova da Beira)

Serviço de Sangue

Alameda Pêro Covilhã

6200-507 Covilhã

Telf. 275 330 000



· Biolabor - Laboratório de Análises Clínicas Lda (Santarém)
Rua Luis de Camões, 10
2000-116 Santarém

Telf. 243309780

De 2ª a 6ª das 8:00 às 19:00

Sábados das 8:00 às 12:00



· Hosp. de São Teotónio

Serviço de Sangue (só parte da manhã)

Av. Rei Dom Duarte - Viseu

3504-509 Viseu

Telf. 214 348 200



· Hosp. Distrital Castelo Branco

Serviço de Sangue

Av. Pedro Alvares Cabral

6000-084 Castelo Branco

Telf. 272 000 200



· CENTRO DE HISTOCOMPATIBILIDADE DO NORTE

Pavilhão “Maria Fernanda”

Rua Roberto Frias

4200-467 Porto

Telf. +351 225 573 470

Fax. +351 225 501 100



· Centro Hosp.Trás-os-Montes e Alto Douro

Serviço de Sangue

Avenida Noruega

5000 – 222 Vila Real

Telf. 259 300 500



· MADEIRA

Para pessoas que vivam na Ilha da Madeira terão de ir à internet, ao site do CH Sul e imprimir o inquérito, preenche-lo e enviá-lo pelo correio para o Centro de Histocompatibilidade do Sul e posteriormente serão contactados.

Caso haja dificuldade em imprimir o documento poderão ir ao hospital buscar:

HOSPITAL CENTRAL DO FUNCHAL - Av. Luis de Camões

Serviço de Banco de Sangue

Tel. 291 705750 (nº directo do serviço)

Horário: das 9h às 13h





· AÇORES

PONTA DELGADA: Hospital do do Divino Espírito Santo , Serviço de Hematologia, 4º piso.





A TERESA PRECISA DE SI!

Acreditamos que não vai ficar indiferente! Obrigado pela sua generosidade!

Para mais informações, não hesite em contactar-nos: juntospelateresa@gmail.com

Ou consulte:

www.youtube.com/juntospelateresa

http://www.facebook.com/home.php#/juntospelateresa?ref=profile

http://sarinha-bambi-86.hi5.com/friend/p432270289--Ajudar%20a%20Marta%20-%20Ajudar%20a%20Teresa--html


Juntos Pela Teresa

16 de setembro de 2009

As 10 recomendações do World Cancer Research Fund

Prevenção do câncer: publicado relatório oficial com as mais novas recomendações sobre prevenção do câncer pelo World Cancer Research Fund e American Institute for Cancer Research

O relatório oficial publicado este mês pelo World Cancer Research Fund em conjunto com o American Institute for Cancer Research é o que há de mais abrangente sobre prevenção de câncer . Foram seis anos de estudo até a produção e revisão finais de todas as pesquisas disponíveis sobre prevenção de câncer . Inicialmente englobou 500 mil estudos, que foram filtrados para 7 mil, os quais seguiam o padrão rigoroso de inclusão neste relatório.

Este processo de revisão da literatura foi realizado por nove universidades independentes. Elas apresentaram as informações a um grupo de 21 médicos especialistas, que revisaram o conjunto de evidências, extraíram conclusões e acrescentaram recomendações.

O World Cancer Research Fund publicou as 10 recomendações para prevenção do câncer , baseado nas conclusões deste relatório. Elas mostram que o consumo de certos alimentos e hábitos de vida afetam o risco de uma pessoa desenvolver câncer .

As 10 recomendações do World Cancer Research Fund são:

1. Mantenha-se o mais magro possível, sem estar abaixo do peso ideal

Evidências mostram que o ganho de peso e a obesidade aumentam o risco de desenvolver vários tipos de tumores, incluindo o câncer de intestino e de mama.

Mantenha um peso saudável com uma dieta balanceada e a prática de atividades físicas regulares para ajudar a manter o seu risco baixo.

2. Faça uma atividade física por pelo menos 30 minutos por dia

Há fortes evidências de que a atividade física protege contra os tumores de intestino e de mama. E também ajuda a manter o peso ideal.

Qualquer tipo de atividade conta. Quanto mais você faz exercícios, melhor! Tente colocar isso em prática na sua vida.

3. Evite bebidas adocicadas. Limite o consumo de alimentos processados, com adição de açúcar , pobres em fibras e ricos em gorduras.

Esses alimentos geralmente são pobres em nutrientes, têm excesso de gordura e/ou açúcar , aumentam o risco de obesidade e câncer . Bebidas doces como “colas” e sucos de frutas adoçados artificialmente podem contribuir para o ganho de peso. Sucos de frutas, mesmo sem adição de açúcar , parecem ter o mesmo efeito. O melhor é não ingeri-los em grandes quantidades.

Procure comer vegetais, frutas e cereais. Opte por água, café e chá sem açúcar no lugar de bebidas adoçadas.

4. Coma mais de uma porção de vegetais, frutas, cereais e legumes como feijão e ervilha

Pesquisas mostram que vegetais, frutas e outros alimentos contendo fibras (como cereais e legumes) podem proteger contra câncer de boca, estômago e intestino. Eles também ajudam a proteger contra o ganho de peso e a obesidade .

Faça 5 refeições por dia, tente incluir cereais (por exemplo, arroz integral, massas e pães integrais) e/ou legumes em todas as refeições.

5. Limite o consumo de carnes vermelhas (carne bovina, carne de porco e de cordeiro) e evite alimentos processados.

Há fortes evidências de que carnes vermelhas e alimentos processados causam câncer e de que não há quantidade de alimentos processados que pode ser segura para não aumentar o risco de desenvolver câncer .

A meta é limitar o consumo de carne vermelha a menos de 500 gramas (cozida) e 700-750 gramas (crua) por semana. Evite alimentos processados como bacon, salame, salsicha, presunto e conserva de carne bovina.

6. Limite a ingestão de bebidas alcóolicas. Se optar por consumi-las, não exceda a quantidade de 2 drinks para homens e 1 drink para mulheres por dia.

Desde o primeiro relatório de prevenção do câncer em 1997, as evidências de que bebidas alcóolicas aumentam o risco de câncer de mama e de intestino são muito fortes.

O consumo de qualquer quantidade de álcool aumenta o risco de câncer . No entanto, há algumas evidências que sugerem que pequenas porções de álcool protegem contra doenças cardíacas. Então, se você optar por consumir bebidas alcóolicas, faça isso com moderação.

7. Limite o consumo de alimentos salgados

Evidências mostram que sal e alimentos conservados com sal provavelmente causam câncer de estômago. Tente usar ervas e especiarias para temperar seus alimentos e lembre-se que alimentos processados, incluindo pães e cereais matinais, podem conter grandes quantidades de sal.

8. Não use suplementos para se proteger contra o câncer

Pesquisas mostram que suplementos de nutrientes em altas doses podem afetar o seu risco de desenvolver câncer , mas o melhor é optar por uma dieta balanceada, sem suplementos.

No entanto, os suplementos são recomendados para alguns grupos de pessoas, mas devem sempre ser prescritos por um médico.

Recomendações para populações especiais

As recomendações 9 e 10 não se aplicam para todas as pessoas, mas, se elas são relevantes para você, o melhor é segui-las.

9. As mães devem amamentar seus filhos, exclusivamente ao seio, por 6 meses e depois acrescentar novos líquidos e alimentos à dieta do bebê

Evidências mostram que amamentar protege as mulheres do câncer de mama e os bebês do ganho excessivo de peso.


10. Depois de um tratamento para qualquer tipo de câncer , os sobreviventes do câncer devem seguir as recomendações acima para prevenir novos tumores

Este relatório encontrou evidências crescentes de que manter um peso corporal saudável através de uma dieta balanceada e a realização de atividade física regularmente pode ajudar a reduzir a recorrência de câncer .

Lembre-se sempre: não fume ou mastigue tabaco/fumo. Fumar e usar tabaco de qualquer forma aumenta o risco de câncer e outras doenças sérias.


Fonte: World Cancer Research Fund

14 de setembro de 2009

Quem não viu, veja agora "Rosa Esperança"

“Rosa Esperança” é um espectáculo forte e sem complexos, que pretende chamar a atenção para uma dura realidade que mata 4 mulheres por dia em Portugal. O Cancro da Mama.

Inserido num projecto de teatro de pesquisa “Projecto Mulheres e o Cancro da Mama” que interpreta e reinventa histórias de pessoas reais, “Rosa Esperança“ conta com a participação de 7 mulheres que, não sendo actrizes, decidiram expor a sua própria experiência de luta contra o cancro e aceitaram o desafio de a partilhar com o publico num palco.

"Rosa, Esperança" um espectáculo que ninguém deve perder!


Em digressão:
19 e 20 de Setembro - Rio Maior
26 de Setembro - Ovar
3 de Outubro - Faro
10 de Outubro - Santiago do Cacem
24 Outubro - Viana do Castelo
31 de Outubro - Guimarães
7 de Novembro - Benavente
14 de Novembro - Samora Correia
5 de Dezembro - Leiria

9 de setembro de 2009

Oração das Mulheres Resolvidas

Que o mar vire cerveja e os homens aperitivo
Que a fonte nunca seque
E que a nossa sogra nunca se chame Esperança, porque Esperança é a última a morrer...
Que os nossos homens nunca morram viúvos
E que os nossos filhos tenham pais ricos e mães boas como oh milho!
Que Deus abençoe os homens bonitos e os feios se tiver tempo...
Deus...
Eu vos peço sabedoria para entender um homem, amor para perdoá-lo e paciência para os seus actos, porque Deus, se eu pedir força, eu bato-lhe até matá-lo
Um brinde...aos que temos, aos que tivemos e aos que teremos
Um brinde também aos namorados que nos conquistaram, aos trouxas que nos perderam e aos sortudos que ainda vão conhecer-nos!
Que sempre sobre, que nunca nos falte, e que a gente dê conta de todos!
Amén.


P.S. Não precisa ser tanto...

3 de setembro de 2009

Força Laurinha!

Vamos fazer novamente uma corrente de energia positiva, desta vez vai direitinha ao Norte, mais precisamente à casa da nossa amiga Laurinha, pois o marido vai ser operado dia 8 e precisa de toda a força.

Ela que o acompanha nesta odisseia e como sabemos não é mulher de baixar os braços, também precisa de boas energias.

Por isso amiga, a ti que sempre nos mimaste, aqui juntamos as nossas mãos e desejamos que tudo corra pelo melhor.

E vai correr, só pode!

U beijo das WinX do peito!

28 de agosto de 2009

"Rosa Esperança" Projecto Mulheres e o cancro da Mama



Procuramos Patrocinadores
"Rosa Esperança" projecto mulheres e o cancro da mama está de volta já a partir de 19 de Setembro.
Mais uma vez precisamos da ajuda de todos os que possam colaborar connosco nas mais diferentes áreas, pois só assim conseguiremos levar este projecto mais longe. Todos somos importantes neste processo de espalhar esta mensagem de Esperança! Neste momento, para além das ajudas habituais, procuramos patrocinadores. É preciso divulgar a peça, fazer cartazes e por esta máquina a andar e para isso precisamos de parceiros que, a troco de publicidade no cartaz, nos queiram e possam ajudar fazendo-nos um donativo!
Nós continuamos aqui dispostos a trabalhar e sabemos da importância deste projecto.
Ajudem-nos a continuar a pintar Portugal de Rosa Esperança! Todos juntos nunca seremos demais a defender esta causa.

Quem Não Tem Cão já tem um telemóvel :o)
contacto: 96788 6762

25 de agosto de 2009

De regresso






Estou de volta a casa e ao trabalho.

As férias já lá vão e foram boas.
A 1ª semana ficámos em Tavira e na 2ª semana fomos para a Quinta de Sto Antonio em Elvas. Ainda passámos em Moura, na casa do meu pai e pensei que morria com o calor. Coitados dos alentejanos, como é que podem viver com aquele calor. Só conseguíamos sair à rua por volta das 6h da tarde e mesmo assim rondavam os 40ºC.
Em Elvas, apesar de tudo suportava-se melhor. Fomos uma vez jantar a Vila de Frades, terrinha simpatica perto da Vidigueira e bebemos um vinho caseiro maravilhoso. Nessa noite tórrida, tertuliámos com um advogado alentejano de gema até às 3h da manhã, excelente companhia.

No Sotavento algarvio banhámo-nos nas águas quentes de Cacela e almoçámos na fábrica. A Carolina fez karaoke no Vila Galé e deu nas vistas, modéstia à parte, a chavaleca tem jeito para a coisa.

Comemos, bebemos, passeámos e outros afins. Há que desfrutar destes momentos o melhor possivel. A vida é para ser vivida e bem!

5 de agosto de 2009

Férias!!!!!!!!!!!!


Aqui dos Algarves, mando um beijo gordo a todas as minhas amigas do peito.
Descansem e divirtam-se o mais que puderem!.
Kss

15 de julho de 2009

Consultas gratuitas


Consultas gratuitas para os doentes oncológicosA União Humanitária dos Doentes com Cancro - http://doentescomcancro.org/uhdc/index.php vai passar a disponibilizar consultas gratuitas de apoio psicológico a doentes com cancro e seus familiares, no Núcleo de Apoio ao Doente Oncológico, na Av. de Ceuta Norte, Bairro do Loureiro, Lote 11 – Loja 2, Lisboa, de segunda a sexta, entre as 9 e as 18h.
Segundo o presidente da associação, Luís Filipe Soares, a iniciativa é muito importante para os doentes oncológicos mais carenciados que, tantas vezes, não têm o apoio necessário na luta pela vida.Segundo a psicóloga da associação, Cláudia Costa, é necessário dar apoio psicológico e emocional que permita ao doente com cancro recuperar a auto-estima e ajuda-lo a desenvolver estratégias.Para marcar a consulta, diz a associação,
basta ligar 213 619 542.

30 de junho de 2009

Viver com assimetrias

Quando me retiraram a mama direita não tive tempo para reagir. Queria ver-me livre da doença e quanto mais depressa aquele peso saísse dali melhor seria para mim.

Recordo-me ainda do dia em que cheguei a casa vinda do hospital. Disse à minha filha que queria falar com ela, na altura tinha 5 anos.

-"A mãe tem uma coisa para te dizer. Sabes,...a maminha da mãe estava doente e teve que ir ao hospital para os doutores tratarem dela.
O penso era grande e tapava toda aquela zona, mas a curiosidade dela era ainda maior.
-Posso ver, mãe? Posso tocar?
-Sim, claro.
-E como é que eles tiraram a maminha? Puxaram? Foi com uma faca?
-Mais ou menos. Fizeram um corte pequenino e depois puxaram devagarinho.
-Doeu muito?
-Não, a mãe estava a dormir, não sentiu nada.
-E agora vais ficar sem maminha?
-Os médicos ficaram a tratar dela, ela está numa caminha e quando ela estiver boa vamos lá buscá-la.
-Quando é que está boa?
-Ainda não sabemos. Os médicos depois dizem à mãe.
-Vai demorar muito?
-Não! Vai ser rápido, vais ver.
-Está bem, mãe!"

E foi desta forma que contei à minha filha de 5 anos que a mãe tinha cancro da mama e que lhe tiraram a mama. Obviamente que a palavra cancro nunca apareceu.

E ela esperou, esperou e já passaram 2 anos.

Todos os dias faz a mesma pergunta:
-É hoje que vamos buscar a maminha?

-Não filha, ainda não é hoje. Ela ainda está ser tratada. Não te preocupes que já falta pouco.

Percebo que ela se sente enganada pela sua própria mãe. Porque eu "prometi-lhe" que seria para breve e ela acreditou tal como eu acreditei e esse dia tarda em chegar. Não é justo, pois não?

Como é que se explica a uma criança de 7 anos que neste país só os que têm dinheiro é que têm a maminha rapidamente?
Como é que se explica que para a mãe ter a maminha tenha de fazer parte das listas de espera dos hospitais de 4 ou 5 anos ?
Como é que se explica que a mãe não está a enganá-la, apenas a quer proteger e involuntariamente acaba por entrar no jogo da mentira?
Como é que se explica que a mãe tenha tido uma doença que lhe roubou a maminha, mas isso não faz dela diferente das outras mães?

Expliquem-me também a mim, porque eu sou loira e pelos vistos muito burra!

17 de junho de 2009

Exames rotineiros

Como já devem ter percebido, quando não digo nada é porque ando com alguma preocupação. Pois é, primeiro foram as dores nas articulações da bacia, andei doida e meti uma semana de baixa para descansar e fazer exames. Depois foi a mamografia e eco de revisão. Parece que está tudo bem. O que é facto é que sempre que se aproximam estas datas, hiberno, fujo, escondo-me, alheio-me de todo o mundo e não quero saber de mais nada. É lixado ter que ser assim.

O que anteriormente aceitávamos como normal, dor, ardor, picadas, pontadas e afins, agora tomam umas proporções loucas e ter que conviver com isto não é nada fácil.

5 de junho de 2009

Mensagem do Dia da Mãe

Ainda não tinha postado aqui a mensagem que a Carol fez para mim no Dia da Mãe.

Eu também te amo muito minha Flor!



Sempre!

4 de junho de 2009

A Mafalda já está cá fora

A nossa Mafalda já está cá fora desde 3ª feira, mas eu ainda não tinha tido tempo para vir aqui dar a novidade. É verdade, aquela é dura como tudo, esteve internada apenas 5 dias, quem diria depois daquela cirurgia tão violenta. Tenho falado com ela e nem vos conto, já anda a fazer avarias como se nada tivesse acontecido. Quando saiu do hospital enfiou-se num café da rua dela, toda curvada e com o braço todo negro, estão a ver a figura, né... e pediu um café. Acho que o pessoal ficou todo a olhar para ela, não era para menos. Ontem foi passar a tarde numa esplanada, anda de carro, come e bebe tudo o que lhe apetece, enfim acho que este fim de semana vai andar na montanha russa. É doida varida, por isso é que gosto tanto dela!!!! A verdade é que se não fosse assim não tinha piada nenhuma. Está super contente com a maminha nova, os pormenores da coisa, ela conta-vos mais tarde. Sim, porque com ela é tudo diferente, a técnica foi inovadora e super original, mas não dá para contar aqui.

Quanto a mim, resolvi por uns dias de baixa, para tentar perceber o que se passa com as articulações da bacia. Tenho andado com sensação de ardor nesta zona durante todo o dia, só alivia com o saco de água quente e emplastros, mas não desaparece. Os medicos dizem que isto é consequência dos tratamentos agressivos e que devo para manter a calma. É fácil dizer-se isto quando não se passa pelo mesmo.

1 de junho de 2009

Corrida da Mulher 2009






































Corrida da Mulher 2009











Ontem foi mais uma Corrida da Mulher, éramos só 15000, segundo os nºos oficiais.

Combinei com as meninas da Associação e encontrámo-nos em Santos. Demos corda aos calcantes e aproveitámos os 5km para pôr a conversa em dia. Estava um sol abrasador, mas quando é por uma boa causa, nada nos detém.

Já na meta estava a D. Lili Caneças, que aproveitou para dar mais umas entrevistas como se do assunto soubesse.
A Aldinda e a Manuela encontraram-se connosco e estivémos em amena cavaqueira. Depois ainda palmilhámos mais 1 km até à estação de Algés para apanharmos o comboio e seguirmos de novo até Santos. No comboio fez-se conversa com mais umas quantas mulheres que se juntaram a esta causa. Foi bom rever as artistas que se mostraram cheias de projectos para levar a Rosa Esperança pelo nosso Portugal.

30 de maio de 2009

Noticias da Mafalda

Ontem eu e a Carol fomos ver a Mafalda já ao final do dia.

Assim que nos vimos, abraçámo-nos e chorámos juntas. Naquele momento não foram precisas palavras. A amizade forte é assim que comunica.

Ela agradeceu todos os beijinhos que vcs mandaram e retribui.

Por incrivel que pareça esta miuda estava super bem disposta e faladora, afinal o que são 10h para ela. Tinha a mamoca nova ao fresco e não tinha dores, essa é a parte melhor. A maminha estava super bem feita, realmente não é para todos, este médico é mesmo um artista, dava a sensação que nunca lhe tiram tirado a mama. Incrivel mesmo! Agora é que vai ser!

Gostei muito de a ver. Admiro muito a coragem dela e principalmente a determinação. Pois desde o 1º dia que a conheço que ela sempre disse: "Isto só termina quando eu fizer a reconstrução". E assim foi.

Amiga, esta foi mais uma etapa superada. E tu mereces tudo de bom na vida.

Um xi apertadinho (com uma lagrimita).

Gosto muito de ti amiga!


P.S. Podem postar porque ela tem internet no quarto.

27 de maio de 2009

A Mafaldinha vai trocar o "pneu"

Meninas, a nossa Mafaldinha vai amanhã alojar-se no Hospital da Luz para lhe ser trocado o "pneu". É verdade, finalmente vai livrar-se do peso abdominal e passá-lo para o lugar da mama.
Falei hoje com ela e estava bué de nervosa, atarefada com os preparativos e tambem com a jantarada desta noite para festejar o aniversário do filhote. Que raio de dia que o puto escolheu...
Transmiti-lhe a minha solidariedade, pois acredito que vai correr tudo bem. Já lhe disseram que vai entrar no bloco por volta das 14h e é suposto durar cerca de 10 horas (porra que até eu estou nervosa).
Depois é que vai ser...se aquela gaja já ninguém a atura com o pneu em baixo, imaginem agora com o pneu cheio no lugar da mama ou a mama cheia em formato de pneu, ou...também não interessa. A chavala vai dar que falar, essa é que é a verdade.
Boa sorte amiga, nós estamos aqui contigo!
Gosti!
Breaking News
Acabei de falar com o marido que já esteve com ela e a bacana já está fixe, apesar da moca. Não diz coisa com coisa, o que não é novidade (lol), mas está a recuperar bem e não tinha dores, provavelmente ainda estava sob o efeito da anestesia e sedativos. Já foi para os seus aposentos. Não vale a pena ligarem-lhe porque ela não tem o telélé com ela. Agora é para descansar. Ao final da tarde vou dar-lhe uma beijoca grande por vcs todas.

Cancro da Mama na TV

Para quem não viu, aqui vai o link para a 1ª parte do programa Serviço de Saude de Maria Elisa. Pena que estes programas passem a horas tardias.

Afinal as novelas dispõem melhor, não é verdade? E estes temas incomodam muito e por isso há que enfiar a cabeça na areia e acreditar que isto só acontece aos outros.

b&a

http://tv1.rtp.pt/multimedia/?tvprog=24440&idpod=25743

26 de maio de 2009

Vejam hoje o Serviço de Saúde

Hoje vai passar uma reportagem que fizeram sobre o Cancro de Mama, no programa da Jornalista Maria Elisa - Serviço de Saúde, com a presença da nossa Liliana.
Temas como a prevenção, o diagnóstico e o apoio de Associações Humanitárias de Apoio a esta patologia vão ser abordados.
A Liliana envia um "bem haja" à Associação Portuguesa de Apoio à Mulher com Cancro de Mama (www.apamcm.org) e à Associação Humanitária de Apoio à Mulher com Cancro de Mama do Hospital de Santa Maria - Amigas do Peito.
E nós mandamos um à Lily, não é?

Não percam!

P.S. Acho que vão encontrar outras gosmas...

19 de maio de 2009

Rosa Esperança na Grande Entrevista RTP1


Na próxima quinta-feira, dia 21, pelas 21h00, no programa Grande Entrevista da jornalista Judite de Sousa, vai falar-se de cancro da mama, do projecto Rosa Esperança e de prevenção e esperança.
A ver!

18 de maio de 2009

Que desatino...

Não tenho tido vontade de escrever, muito menos de falar. No entanto todos os dias venho ver-vos porque já me habituei à vossa presença na minha vida e não quero passar sem ela.

Há 3 semanas atrás fui burlada na internet, utilizaram o meu cartão de credito indevidamente comprando jogos online. Tem sido uma carga de trabalhos porque tive de cancelar tudo no banco. Estamos de tal forma habituados aos cartões que já não sabemos viver sem eles.

Desde que comecei a trabalhar e pelo facto de estar muito tempo sentada voltaram as dores nas articulações. É o suficiente para ficar mais ansiosa, com pensamentos que não ajudam nada. Ontem fiquei em casa, aproveitei para descansar e à tarde fui fazer uma caminhada, o que me aliviou bastante.

Em casa o ambiente não está famoso. Já não sei o que é que devo fazer ou dizer disto tudo. Por vezes dá-me vontade de fazer as malas e desaparecer. Não é facil carregar com este fardo sózinha, mas é assim que me sinto.

Espero por dias mais felizes.

24 de abril de 2009

Será a vida simples ou simplista?

Tenho andado um bocadinho ausente, mas no entanto estou atenta a todas vós e sei que as coisas estão bem de uma forma geral, apesar do herpes da Gigi e da queimadura da Liliana. É só uma questão de tempo, não fossem elas umas vencedoras.

No blog da Nela, vi o video com a Simone e os testemunhos das nossas estrelas Rosa Esperança. E digo-vos de coração aquilo que já vos disse outras vezes, vocês são mulheres de grande valor e um farol nas nossas vidas. A vossa coragem e esperança renovam-nos o espirito e dão-nos alento para seguirmos em frente.
Quanto à Simone, é uma referência. Uma força da natureza. Deve ter passado pelos medos e angústias tal como nós, mas olhou o bicho de frente acreditando que seria mais forte que ele. E venceu!

Felizmente existem muitas outras "Simones", que tal como ela, não têm medo de chamar as coisas pelos nomes. Agarram o touro pelos cornos e olham para cima. E muitos se interrogam: De onde vem essa força? Não sei. Talvez porque gostam demasiado de andar por cá e de abraçar e beijar quem mais amam. Gostam de acordar todas as manhãs e entrar no quarto dos seus filhotes e vê-los ainda a dormir. E apetece-lhes ficar ali, a olhar para eles, desfrutando da serenidade que aquele momento oferece.

Porque gostam do calor do sol, do barulho da chuva e do cheiro do mar. Tornam-se básicas. Gostam simplesmente do mais simples. Olham para a essência em vez do acessório. Talvez porque viram a morte ali ao lado e viraram-lhe a cara.

Passam a relativizar as coisas. Aquilo que anteriormente seria um problema, agora é só um pequeno aborrecimento.

Mas depois surge aqui um "gap". Quem está ao seu redor não está na mesma sintonia. Não têm esta visão tão simples das coisas. Valorizam e potenciam aquilo a que chamam "problemas" e alimentam o superfluo. A ideia de que vivem assoberbados de problemas é um lugar comum e já não sabem viver de outra forma. Não abdicam do conforto e não querem ouvir falar daquilo que os incomoda. Renunciam à beleza das coisas simples em prol das coisas materiais. Deixa de haver lugar para sentimentos e emoções. Isso é coisa de gente fraca.

Resultado...fecham-se na sua concha e esperam que passe.

Afinal, estamos cá para ser felizes! Não me disseram é que tinha de ser assim...

22 de abril de 2009

Ajudem a Marta

A Marta precisa de ajuda...

A Marta tem 4 anos e leucemia.

Precisa de encontrar um dador compatível.Ajudem, por favor.

http://ajudaramarta.blogs.sapo.pt/

12 de abril de 2009

Há 2 anos atrás

Fez hoje 2 anos que fiz a mastectomia.

Não era Páscoa. Provavelmente nesse ano nem me lembrei de tal coisa. Todos os meus pensamentos estavam focalizados na minha cura e queria ver-me dali para fora. Não faço questão de recordar passo a passo o que foram aqueles dias, passaram e acabou.

Saí dali sem uma mama, é certo, mas eu sou mais do que isso. Nunca permiti que a mama se sobrepusesse à sua própria condição.

Depois veio a história envolvida de um certo romantismo. "Filha, a maminha estava doente e teve que ficar no hospital para ser tratada, quando estiver boa, vamos lá buscá-la".

Volvidos estes 2 anos, a Carol ainda pergunta: "Mãe, quando é podemos ir buscar a maminha?"

6 de abril de 2009

Rosa Esperança


Ontem fui com a Mafalda e o marido ver a peça autobiográfica Rosa Esperança no Cine Teatro de Rio Maior.

A Mafalda , ainda antes de se sentar, virou-se para mim e disse: prepara os lenços que isto vai dar para o torto. E eu respondi: Talvez não.

Bem, foi logo assim que levantaram o pano. Eu e ela desatámos num pranto que durou o espectáculo todo. Não havia lenços que chegassem. Encostámo-nos uma à outra e deixámo-nos ir. Aquilo era de todas nós. Os medos, as angustias, os pensamentos, os vómitos e a queda de cabelo. Todas nós passámos por lá. Aquele grupo de mulheres era a nossa voz. Voz de medo mas também de esperança.

No final, levantámo-nos numa ovação colectiva. E conseguiamos ver os rostos molhados dos mais novos aos mais velhos, homens e mulheres. Talvez porque o cancro já tivesse tocado de alguma forma cada vida que ali estava.

Depois a Cinda levou-nos aos camarins para abraçarmos as nossas queridas amigas e dizer-lhes que estiveram magnificas.

Obrigada pela coragem e ousadia de trazerem a publico, um assunto que, infelizmente ainda é tabu para muitos.

Obrigada a todas e obrigada ao comandante que as dirigiu tão bem.

3 de abril de 2009

Parabéns à nossa Gosma 2 - Cris J


Desejo-te muitos anos de vida, com tudo aquilo a que tens direito, saude, paz, amor, alegria, dinheiro, comes e bebes!
Diverte-te hoje e todos os dias!

E nós por cá!
Um xi apertado.

2 de abril de 2009

Cancro da mama: Da blogosfera para o palco, "Rosa Esperança" estreia sábado em Rio Maior


Santarém, 02 Abr (Lusa)

Sete mulheres, nenhuma delas actriz, expõem-se, a partir de sábado, em palco, num espectáculo de emoções, resultado de muitas sessões de partilha sobre a experiência traumática de uma doença que foi comum a todas, o cancro da mama."Rosa Esperança" é o resultado de um trabalho a que Rui Germano, advogado, vereador na Câmara de Rio Maior e encenador, se decidiu dedicar nos últimos meses, depois de uma amiga ter vencido a luta contra o cancro da mama e de outra ter sucumbido à doença.Estas experiências, disse hoje à agência Lusa, permitiram-lhe "fazer a ponte" para uma situação vivida há 26 anos, na sua infância, quando a própria mãe, Cacilda Germano, hoje com 68 anos e uma das "actrizes" da sua peça, viveu a luta contra a doença.Através do blogue criado pela amiga vitimada pela doença, Cláudia, http://superglamorosas.blogspot.com/ , Rui entrou em contacto com o grupo de mulheres que, sendo de vários pontos do país, se começaram a encontrar aos domingos à tarde, em Rio Maior."Os nossos primeiros encontros foram essencialmente conversas, perceber quem eram, partilhar vivências", num processo, iniciado em Outubro, mês emblemático da luta contra o cancro da mama, que permitiu constituir "um núcleo duro" de sete mulheres que queriam avançar com a peça.A esse "núcleo duro" - Cinda, de Ovar, Alda, das Caldas da Rainha, Manuela, de Alcobaça, Manuela e Carla, de Lisboa, e Cacilda e Cristina, de Rio Maior - acabaram por se juntar outras mulheres que foram tendo conhecimento da experiência e que, sem quererem participar na peça, foram aparecendo e dando o seu testemunho.Rui Germano sublinha que Rosa Esperança "não é uma peça de teatro, é um projecto" em que estas mulheres, que "não são actrizes, nunca quiseram subir ao palco", se "revelam e partilham".Para já, o espectáculo tem sessões marcadas no cine-teatro de Rio Maior para os dias 04, 05, 11, 12, 18 e 19 de Abril (sábados às 21:30 e domingos às 17:00) - com a estreia já esgotada - e no Cine-teatro de Alcobaça para 02 de Maio.Como uma das "actrizes" vai precisar de tempo para fazer a reconstituição mamária, Rui Germano espera que, a partir de Setembro, o grupo possa iniciar uma "mini-tournée" pelo país, tendo já contactos de várias cidades.A intenção é "andar na estrada ano, ano e meio", fazendo coincidir o final das apresentações com o lançamento de um livro sobre o projecto que a jornalista Manuela Goucha Soares aceitou escrever, adiantou.Sendo uma produção da "Quem Não Tem Cão - Oficina de Artistas", o projecto envolveu, além de inúmeras mulheres e homens, a escola Oficina da Imagem, que permitiu a edição de meia centena de fotografias das "actrizes", feitas em estúdio, e que vão ser expostas em Rio Maior a partir de dia 12.Por outro lado, 11 fotos com 1 metro por 0,70 vão "andar pela cidade" neste período, para chamar a atenção para o projecto.O espectáculo termina com um quadro final, resultado de um desafio lançado a sete costureiros/estilistas - Augustus, Cristina Lopes, Fátima Lopes, João Rolo, Luis Buchinho, Nuno Gama e Rafael Freitas."Queremos deixar uma imagem de 'glamour', que estas mulheres não perdem, ter um final cheio de charme", afirmou Rui Germano.

MLL.Lusa/fim

1 de abril de 2009

Fim de semana no Zezere vs Concerto Just Girls vs Aniversario Carol "Give me 7"!








O fim de semana passado resolvemos dar uma fugida até ao Zêzere. Conhecia mal aquela zona e de facto valeu a pena. Ficámos no simpático Hotel da Montanha em Pedrogão Pequeno e andámos por entre vales e montes para conhecer bem a região, tanto pelas magnificas paisagens como pela gastronomia. Recomendo o restaurante "O Mocho" em Figueiró dos Vinhos" pelas iguarias e simpatia do empregado.

Não quis faltar à promessa com a Carolina e andámos de buggy com um vento cortante que se fez sentir todo o fim de semana.

Conhecemos uma aldeia de xisto espectacular chamada Casal de S. Simão e tivémos uma aventura de carro nesse dia que nem vos conto. Basta dizer que tinhamos acabado de almoçar e rapidamente fizémos a digestão. Esta malta pensa que tem um jipe!

No domingo e já de regresso, passámos por Dornes, uma terrinha à beira da barragem de cabril, lugar privilegiado para os amantes de canoagem.

Fizémos a viagem até Lisboa num ápice porque às 18h00 eu e a Carol tinhamos bilhetes para o Concerto das Just Girls no Campo Pequeno. E não faltámos. Encontrámo-nos com mais 2 mães e respectivas filhas e entrámos as 6, prontas para dançar e cantar. Afinal estávamos ali para isso, para nos divertirmos. E devo dizer que assim aconteceu. As miudas deliraram e as mães também. Foi o 1º concerto da minha Carol e não é que a miuda se dá bem nestas andanças!

O Campo Pequeno estava cheio. Crise? Qual crise? A crise é como a gripe das aves, só alguns é que a apanham" palavras certas de M. Sousa Tavares.

Giro, giro foi ver alguns pais (homens) sentados, muito compostinhos com um olhar que adivinhava o "Tirem-me daqui".

Eu adorei, sou mesmo uma básica!

Depois na 2ªf., dia 30 Março foi o aniversário da Carol, 7 anitos. Passámos o dia fora e ao final da tarde recebemos a visita dos avós, tios, primos e amigos que deu lugar ao convivio e a Carol apagou as 7 velinhas airosamente colocadas sobre o bolo de chocolate.

Muitos anos de vida, minha Flor!

26 de março de 2009

A Carol está apaixonada


Ontem a minha princesa veio ter comigo com um caderno na mão e disse-me:

"Mãe lê baixinho".

"Tá bem". disse eu"

Depois foi ter com o pai e pediu-lhe o mesmo. "Pai lê baixinho".

E dizia assim: "Afonso, gosto muito de ti e amo-te muito".

O pai olhou para mim, riu-se e disse: "Que bonito, filha, eu também gosto do meu genro".

E eu controlei-me para não rir. E perguntei: "Gostas mesmo dele, não é?"

"É mãe, ele é muito querido para mim".

" E achas que ele quer namorar contigo?", perguntei eu.

E ela respondeu "Eu perguntei-lhe,.. Queres ser meu namorado? E ele disse-me: Não quero namorar contigo, quero ser teu marido!"

Depois disto não há nada a dizer. Resta-me só ir pensando no enxoval.

25 de março de 2009

Hora do Planeta 2009


O MUNDO VAI APAGAR AS LUZES PELA HORA DO PLANETA 2009


*377 cidades, incluindo Lisboa, já aderiram e número de países participantesduplicou relativamente a 2008

... Faltam poucos dias para que o mundo fique às escuras pela iniciativa da WWF - *Hora do Planeta* e esta campanha que pretende alertar a opinião pública para as questões relacionadas com as alterações climáticas, já apresenta fortes sinais de ser a maior plataforma voluntária de cidadãos alguma vez testemunhada a nível mundial.


A pouco menos de quatro dias de se realizar a Hora do Planeta 2009, os números e expectativas anteriores estão a ser completamente ultrapassados: 377 cidades em 74 países, onde se inclui Lisboa, aderiram já a este apagão de uma hora marcado para o dia 28 de Março, às 20H30.


Em Portugal, estima-se que 500 000 pessoas (em média 100 000 lares)possam aderir à Hora do Planeta, desligando as suas luzes.


Divulguem.......sff :)

23 de março de 2009

A vida, nua e crua


Na passada 6ªf. tive com a consulta de oncologia no Hospital da Luz. Acho que é sempre bom ter um acompanhamento em paralelo. O médico foi-me referenciado por uma amiga minha e decidi conhecê-lo. Houve desde logo uma empatia reciproca e as 2h e meia passaram sem eu me dar conta do tempo. É uma daquelas pessoas, tal como ele disse, "básica", i.e. simples no trato, ouve o doente e fala de forma a que todos possam entender. Diz que é fundamental o doente sentir-se confortavel com o médico e para isso tem de haver confiança de ambas as partes. Analisa o estado psicológico do doente, que segundo as suas palavras, "o estar bem" é tão ou mais importante do que as quimios ou herceptin's.

Depois de falarmos da parte fisica e das minhas queixas nas articulações, que parecem ser consequência dos tratamentos, e de ter visto os exames e analises, éis a fundamental e singela questão: Que tal a psique?

Pois..., essa questão já vive comigo há 15 anos. E depois contei um pouco da minha vida (não tão detalhada)...

Venho de uma familia simples, composta por mãe, pai e irmão. A minha relação com o meu pai nunca foi boa. Sempre foi um pai ausente, bastava pagar as contas da casa e da educação para cumprir o seu papel, acreditava ele. A nossa mãe era o pilar da casa e da familia. Era ela que nos dava a educação e o amor, o carinho e nos ouvia quando vinhamos da escola e já mais tarde quando eu chegava do trabalho e fazia o relato da minha jornada.

Quando eu tinha 24 anos, o meu irmão 14 e a minha mãe 46, foi-lhe diagnosticado um cancro da mama. A partir daí foi um caos. O meu pai arranjou outra mulher e decidiu ser um carrasco para nós, principalmente para a minha mãe, de tal forma que me é dificil passar para palavras o comportamento vil que ele teve durante 3 anos e meio. No entanto, descrevo apenas uma ou outra passagem para terem uma ideia do cenário dantesco.

Nas visitas ao hospital, dizia-lhe "agora vou ter com a outra, porque tu já estás a morrer". Um dia a minha mãe ligou-me e chorava ao telefone, "o pai escondeu a comida toda do frigorifico para eu não comer, diz que quer que eu morra depressa". Nesse dia vim a correr para casa e discuti com ele e ele bateu-me e só o meu irmão é que me livrou das mãos dele.

Quando entrava no quarto dela dizia, "quando é que morres? Despacha-te!"

Eu vivi este pesadelo 24h por dia. Mas nunca a abandonei, nunca! Fui com ela aos tratamentos, estava presente nas consultas e ouvi algumas palavras de esperança, mas poucas. O meu irmão era miudo e não queria ver a mãe sofrer, por isso só vinha a casa para comer e dormir. O meu pai só aparecia à noite e era um inferno. Eu tentava conciliar o meu tempo entre o trabalho e a assistência necessária à minha mãe. Uma vez ligaram-me para o trabalho para eu ir depressa que ela tinha tentado suicidar-se. Não sei como cheguei a casa, sei que não sentia as pernas e chorava compulsivamente todo o caminho. Ambulância, hospital, isto aconteceu várias vezes. O estado dela ía piorando e eu lá estava para prestar todos os cuidados que conseguia. E estava sózinha, profundamente sózinha. Andava sob o efeito de calmantes e mesmo assim tinha ataques de pânico. As minhas tias que viviam na mesma rua não quiseram saber. Não queriam sofrer e por isso evitavam ir a casa. Todos se protegeram, o egoismo falava mais alto. Passaram 3 anos e ela era doente terminal. Da ultima vez que foi a Odeceixe ver a minha avó, mãe dela, até esta discutiu com ela por causa de umas partilhas. Viémos embora naquele minuto e veio a chorar o caminho todo. Todos lhe viráram as costas, porquê? Não sei e nunca vou perceber, era demoniaco, não encontrava explicação para aquilo estar a acontecer. Ela sempre foi uma mulher altruista, sempre foi amiga dos irmãos e de toda a familia. Ajudava todas as pessoas que estavam ao seu redor. Amiga e boa colega.

Depois o pior. Morrer no hospital ou em casa e eu respondi ao medico: em casa, ao pé de mim, sem sombra de duvidas, eu quero a minha mãe sempre comigo até ao fim! A partir dali, é dificil contar-vos. Foram 3 semanas dum sofrimento tão grande, mas tão grande que não há palavras. Vim para casa de assistência à familia e fiz o melhor que consegui, sabia como ía acabar, ou pelo menos achava que sabia. Mas nunca se sabe. Foi à cama e nunca mais se levantou. Entregou-se, tinha decidido morrer e depressa. Deixou de falar. Eu tratava dela. Lavava-a. Dava-lhe de comer, enquanto ela quis, porque depois recusou-se e era muito dificil alimentá-la. Mudava-lhe a fralda. lavava-lhe os dentes. Penteava-a. Queria que ela estivesse sempre bonita. E ainda estás, mãe! Por fim já estava a oxigènio.

Nessa noite, os enfermeiros disseram que era a ultima. Vieram os meus tios e estavamos todos juntos às 6:00 da manhã. Ela partiu e naquele mesmo instante deixou cair uma lágrima e eu "aterrei" em cima dela, não aguentei.

Nunca viajou. Ela dizia que gostava de ir à Madeira, mas nunca foi. Nunca saiu do "buraco". Humilde na vida, o que tinha era o suficiente. O mais importante eram os filhos e estar junto deles.

(estou no trabalho e tento não chorar)

Depois, depois foi todo o resto. Tios e primos desapareceram justificando-se com a atitude do meu pai. Eu e o meu irmão ficámos completamente entregues ao nosso destino. O meu pai saiu de casa e desligou tudo, o meu irmão ainda estudava e não tinha forma de pagar as contas, nem sequer para comprar comida. Mas Deus ajudou-o e rapidamente começou a trabalhar. Depois foi a questão do perdão. Durante 2 anos não falei com o meu pai. Nem sequer o queria ver. As pessoas diziam-me para eu o perdoar, só assim conseguia viver bem comigo, caso contrário iria ter sempre essa ferida aberta. Finalmente aceitei "perdoá-lo" e hoje em dia falamos, não muito tempo, mas nunca consegui esquecer aquilo que ele fez.

Já tinha comprado casa e fui viver para Massamá. Na altura já namorava com aquele que é hoje o meu marido. A nossa relação foi muito afectada com tudo o que aconteceu e as coisas não começaram bem.

Eu tinha saído de uma situação terrivel e precisava de alguém que me desse "colo" . E entrei numa espiral de insegurança e medo sem precedentes. A coragem e a força que tive durante aquele processo tinham agora desaparecido e davam lugar ao pânico e ao medo da morte eminente. Comecei com os antidepressivos e não havia melhoras. Tinha ataques de pânico em todo o lado. A minha vida passou a estar limitada à casa e trabalho. Não ía a supermercados, cinemas ou centros comerciais, locais com muita gente, achava que podia morrer a qualquer minuto. Tinha fobia social e de espaços com muitas pessoas. Psiquiatras e mais psiquiatras. Conclusão, não estava a ser capaz de fazer o luto. Mais antidepressivos. A dada altura achei que não valia a pena continuar e pensei no suicidio. Em casa as coisas não estavam bem. Sentia-me sózinha como sempre me senti. Não havia lugar a mimos nem atenções. Sentia-me pequena e miserável. O egoismo dos outros falava mais alto e eu ficava para 2º plano. Olhava à minha volta e pensava, porquê? Será que não mereço mais que isto?

Cinco anos de antidepressivos e nada. Até que nasceu a Carolina e aí senti de novo esperança para continuar a viver. Por ela valia a pena estar cá. Deixei os antidepressivos e tudo parecia no bom caminho, mas sempre só, eu e ela. Depois adoeci com uma patologia auto imune e estive internada 2 vezes no ano em que ela nasceu. Aguentei firme e cá estava eu de novo para a minha filha. Tinha diplopia (visão dupla) e nunca deixei de trabalhar. Ía buscar a Carolina ao colegio e conduzia com um olho fechado.
Em casa, o mesmo de sempre, a ausência. No trabalho, um Director exigente e pouco afável. Fechava-me (e ainda o faço) no gabinete e só almoço mais tarde depois da confusão. Os meus colegas dizem que eu me isolo e isso não é bom. Desculpem, mas eu não tenho paciência para futilidades.

Aos 39 anos, numa consulta de rotina anual é-me diagnosticado cancro da mama. E num segundo o meu pensamento foi para a minha mãe. NÃO! Não vou ter aquele final. Rejeito! Vou lutar por mim todos os dias da minha vida. Quero viver por mim e pela minha filha.

Depois veio a questão deveras brutal: E a mama? Como lida com o facto de ter perdido a mama?

"Para ser sincera, não me custou muito. Não sei porquê, se calhar porque já tinha visto isso antes. Mas o que me dói é a pergunta da minha filha sempre que me vê nua: Mãe, quando é que tens a maminha? Essa sim, custa a valer. Estou em fila de espera, 4 ou 5 anos disse eu. Já que não posso fazer no privado, não tenho 25 mil euros, a não ser que faça um empréstimo para ter uma mama e ser igual às outras mulheres! Se fosse funcionária publica pagava 2500 euros, assim como trabalho no privado pago 25.000 euros. - Oh Isabel, não é justo! Trabalha para o mesmo, tal como os outros. " Pois é Dr. mas é o país que temos. Escreva à ministra, não fique parada, escreva, pelo menos reinvindique pelos seus direitos, eu escrevo sempre. Pois é, mas eu não sou médica, o meu barulho provoca menos ruído que o seu, com todo o respeito, Dr. Até lá olho todos os dias para mim e digo: "Vales muito mais do que uma simples mama". Importante mesmo é estar viva e estar com a minha filha. É assim que passamos a relativizar as coisas."

Durante a consulta, tentei conter as lágrimas várias vezes. Disse-lhe que precisava de apoio psicológico porque no 1º ano foi tudo muito rapido, reagi e não houve tempo para pensar. Só mais tarde é que tomei consciência das coisas e aí surgiram de novo os medos.

Levantou-se e disse-me:"tenho muito orgulho em conhecê-la, tem sido uma super mulher."

E eu disse: "também acho, sou um osso duro de roer."

Posso dar-lhe um abraço? Perguntou ele.

"Claro!"

Finalmente, tinha encontrado alguém que reconheceu o meu valor, o meu carácter, a minha forma de estar na vida.

"Fica com o meu telemóvel e quero que se sinta à vontade para me ligar sempre que necessitar." "Muito obrigado, Dr." respondi.

Senti que foi mais uma consulta de psicoterapia do que de oncologia, mas tal como ele disse, é fundamental ter cabeça limpa para enfrentarmos todo o resto.

Acredito que existe algures uma energia suprema que me dá esta força para continuar. Não sei bem o quê, mas existe!
E aqui, nesta dimensão terrena eu vou continuar à procura daquilo que nunca tive...

21 de março de 2009

Imagem que fala por si


Eu sei, não tenho os direitos de utilização, mas não resisti!

Adorei esta foto.
Mulheres iguais e tão diferentes. Mães, esposas, companheiras, amigas. Mulheres cuja adversidade as fortaleceu. Mulheres que festejam cada dia das suas vidas. Mulheres que vêem a beleza das coisas simples. Mulheres que fazem a diferença!
A todas, um grande bem haja! E obrigado por existirem!

19 de março de 2009

As 7 magnificas


4, 5, 11, 12, 18 e 19 de Abril
Cine Teatro-Casa da Cultura de Rio Maior
2 de Maio- Cine-Teatro de Alcobaça
Mais informação no blogue:http://equemnaotemcao.blogspot.com

12 de março de 2009

YUPI!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Ainda não li tudo, mas o que interessa é dizer:


VENCESTE AMIGA!!!!!! GRANDE GIGI!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

11 de março de 2009