18 de agosto de 2008

De regresso a casa







Cá estou eu de regresso à selva.

Foram 3 semaninhas para descansar. Para quem queria sossego (mas pouco) a 1ª semana foi passada no Algarve, em Ferragudo na casa de uns primos. Algarve é sempre aquela canseira que todos conhecemos. Praia, lugar para estacionar e de regresso os banhos, fazer refeições para 3 putos e 4 graudos. À noite tenta-se descontrair um pouco e vai-se jantar fora ou beber um copo na marina de Portimão ou nos bares da praia da Rocha com animação nocturna com pufs e espreguiçadeiras espalhados na areia que convidam ao relax. Este ano Portimão está na moda, não me perguntem porquê, mas neste país as coisas funcionam assim. Houve um dia que fizémos um passeio de barco e visitámos as grutas (algares) que se encontram por toda a região do Carvoeiro. Fiquei sem palavras. É simplesmente fabuloso. Leva-nos para outra dimensão. Não percam, não é barato mas vale a pena. Passou-se assim uma semana.


Depois aproveitámos uma promoção last minute Turismo Rural na Estalagem da Qta de sto Antonio perto de Elvas e nem hesitámos. Alentejo é sempre óptimo para fazer um retiro. Tinhamos previsto estar ali 1 semana porque a seguinte já estava reservada em Sesimbra, mas ficámos de tal forma rendidos aos encantos daquele oásis que viémos a Sesimbra dormimos uma noite no Sana, cancelámos a estadia de 7 noites e debandámos de novo em direcção a Elvas. No lugar de 1 semana, ficámos 2 neste lugar maravilhoso. Aqui esquecemo-nos do tempo, dos medos e das angustias. Queremos ouvir o silêncio e guardar na nossa memória todos os minutos ali passados. Queremos usufruir do prazer da vida no seu esplendor. Só os pássaros e as cigarras podem quebrar o silêncio. Depois seguiu-se outro prazer, desfrutar das iguarias alentejanas. Nem vos conto...fizémos amizade com o dono de um restaurante em Elvas, Adega Regional (passe a publicidade) que nos tratou sempre com um especial carinho e no final da refeição até a Carol tinha direito a licor, mas sem alcool, of course. Eu já gostava do Alentejo mas agora entreguei-me de corpo e alma. Quero ter lá uma casa (nem que seja em sonhos) para fugir daqui sempre que puder. As pessoas são super simpáticas e prontas a ajudar. Descobri que têm um sentido de humor e desenrascanço incrivel. Tivémos um episodio com o vidro da janela do carro que não fechava e de imediato um destes senhores da familia Mcgyver conseguiu remediar a situação.
Ahh..., também fomos a Badajoz e (como manda a tradição) também enchemos o depósito do carro e poupámos 20€. É guito, não???

Foi óptimo, mas apesar de tudo é bom estar de volta à nossa casa.